Voltar
Presidente da República condecorou atriz Carmen Dolores
12 Jul 2018

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, condecorou, quarta-feira, 11 de julho, a atriz Carmen Dolores, de 94 anos, com as insígnias de Grande-Oficial da Ordem do Mérito.

A condecoração foi atribuída no Teatro da Trindade, em Lisboa, no final da estreia da peça “Carmen”, que é inspirada nas memórias da atriz.

No final da cerimónia, os amigos e colegas de carreira que, a pedido de Carmen Dolores, assistiram ao espetáculo, subiram ao palco para, juntamente com outras personalidades presentes, aplaudirem a atriz pela homenagem que lhe foi prestada.

O Presidente da República também assistiu à estreia de “Carmen”, uma peça inspirada nas memórias de Carmen Dolores, que constitui uma homenagem do Teatro da Trindade à atriz, que ali se estreou no cinema e no teatro, com Marcelo Rebelo de Sousa a entregar a condecoração.

Marcelo Rebelo de Sousa visitou os espaços públicos do teatro, onde foi inaugurada uma exposição-instalação alusiva à carreira da atriz, assistiu à peça e à exibição de um vídeo sobre a carreira de Carmen Dolores.

A partir de agora, a sala principal do Teatro da Trindade passa também a ter o nome da atriz, que se retirou dos palcos em 2005 ao fim de 60 anos de carreira.

“Carmen” tem texto dramatúrgico e encenação de Diogo Infante e interpretação de Natália Luiza, assinalando também o regresso desta atriz ao palco, dez anos depois da última peça representada.

Coproduzida pelos teatros da Trindade e Meridional, de que Natália Luiza é codiretora artística, com Miguel Seabra, “Carmen” vai estar em cena até 29 de julho. Tem espetáculos de quarta-feira a sábado, às 21:30, e, aos domingos, às 16:30, exceto dia 15, em que o espetáculo será às 21:30, na que é a última de quatro representações integradas no 35.º Festival de Almada.

Nascida em Lisboa, a 22 de abril de 1924, Carmen Dolores fez carreira na rádio, tanto a ler poesia como teatro radiofónico, no cinema e no teatro.

“Copenhaga”, no Teatro Aberto, com encenação de João Lourenço, foi a peça com que, em 2005, se despediu dos palcos após uma carreira de 60 anos.

O grau de Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique, atribuído pelo então Presidente da República Jorge Sampaio, a Medalha de Ouro da Câmara Municipal de Lisboa, o prémio Sophia de Carreira, da Academia Portuguesa de Cinema, e o Prémio António Quadros de Teatro constam também do palmarés da atriz.

Record FM com Lusa

20 Jul 2018
Mais de 150 peças de Bordallo Pinheiro em exposição nas Caldas da Rainha

19 Jul 2018
A «Tomatina» à portuguesa vai ser em Almeirim

19 Jul 2018
Festival dos Canais é "referência" na candidatura de Aveiro a Capital da Cultura